Escolhendo carreira: Como a psicologia pode te ajudar.

01:00:00 Thais Lopes Trajano 2 Comments


É fácil escolher uma carreira a seguir?
Como escolher diante de várias profissões e possibilidades dentro de cada área?

Veja a importância da escolha profissional e como a psicologia pode te ajudar nesse processo.




Porque essa escolha é importante?

Ao escolher uma profissão está embutido nessa escolha anos de estudo, um ofício que será realizado, muito possivelmente, por toda uma vida e também os valores que envolvem aquela ocupação e o "fazer" da profissão escolhida. Além disto, o sujeito passará a maior parte de seu tempo diário trabalhando e também será da profissão que escolheu que virá o seu sustento.
Muitas vezes a escolha de uma profissão que não condiz com as habilidades e desejos do indivíduo poderá acarretar prejuízos em sua vida pessoal, podendo fazer com que o sujeito se sinta desmotivado e incompleto já que irá atuar diariamente em algo que não o proporciona prazer, ainda que bem remunerado e/ou valorizado.

O que influencia nessa escolha?

Quando normalmente pensamos determinadas profissões, temos ícones que nos inspiram e envolvem para aquele ofício, ou o contrário.
As nossas vivências, o meio social em que vivemos, aspectos e características que possuímos e também que valorizamos, tudo isso conta na hora de decidir por uma carreira. A nossa subjetividade é o que norteia nossas escolhas.  Outro fator importante nesse processo decisório é a família e o envolvimento dela nessa escolha.

Alguns exemplos a seguir ilustram como a família pode afetar o individuo a decidir seu futuro profissional.

1.      Vamos supor que uma menina tenha uma mãe médica. Que essa menina possua uma ótima relação com a mãe, a tenha como exemplo e queira seguir seus passos na carreira profissional.

2.       Vamos supor que a uma menina tenha uma mãe médica. A irmã também é medica. A família possui uma clínica de medicina e muitas gerações já trabalharam lá. Mas a menina, embora adore sua família e admire a profissão de médico, escolheu ser advogada. Simplesmente porque ela se identifica com o ofício.

Já pensou nas duas situações como a família influenciou na decisão da carreira?
Em quantos conflitos podem surgir quando se escolhe algo que vai contra o que a família sempre desejou?

Já imaginou como a menina que escolheu ser médica como a mãe irá se cobrar para ser boa como percebe que a mãe é?

A família tem um grande peso para a escolha profissional, portanto, fica como dica para os responsáveis que permitam que os adolescentes dividam seus interesses e mais, que incentivem que eles conheçam diferentes profissões para escolher. Se seu desejo é que seu filho siga a mesma carreira que a sua, sugiro levá-lo para conhecer seu ambiente de trabalho e falar de sua rotina, apenas como troca de experiência. Não esqueça, a escolha é do filho e não dos pais!



Onde a psicologia entra nisso tudo?

A psicologia poderá ajudar nessa escolha através do processo que chamamos de orientação vocacional/profissional. Que aqui eu chamo de OV (orientação vocacional).
O processo de OV descobrirá, através de técnicas e testes, as habilidades e maiores interesses do sujeito. Essas informações são atreladas e confrontadas com as profissões que mais chamam atenção de quem está passando pelo processo de escolha de carreira.
São comuns ações como sugerir que o indivíduo faça uma entrevista com algum profissional da área que deseja seguir, podendo assim, tirar todas suas duvidas quanto à profissão e a realidade do dia a dia. A entrevista, juntamente com pesquisas e conhecimentos que são adquiridos durante o processo se OV ajudam a desmistificar questões sobre a profissão. Uma situação muito comum e que ilustra isso é a idéia de trabalhar na saúde para ‘salvar vidas’, mas que ao entrevistar um profissional da área tem a oportunidade de ouvir relatos da perda de pacientes e dos sentimentos que norteiam esse outro lado da realidade do profissional de saúde.
E, claro, a psicologia focará no processo de autoconhecimento do individuo. O psicólogo ajudará a conhecer suas habilidades, interesses e até mesmo fraquezas, mas a escolha da carreira é do sujeito, não do psicólogo.




Resumo da ópera

O sujeito que está passando pelo processo de escolha de carreira, se indeciso ou perdido, poderá procurar um psicólogo para ajudá-lo nesse processo decisório. Nem todo psicólogo realiza o processo de OV, portanto, procure com atenção e esclareça seu interesse logo num contato inicial.
O processo de orientação vocacional é um processo construtivo, tendo foco nas descobertas do individuo sobre si. Também vão emergir aspectos pessoais (que muitas vezes aguçam a pessoa e realizar terapia depois para se conhecer melhor), mas a OV focalizará essas descobertas e seus desdobramentos no âmbito profissional.
Ressalto que a OV não tem por objetivo dar uma resposta ao indivíduo.  O psicólogo trabalhará como agente facilitador para um melhor autoconhecimento do outro, para que então, a pessoa sinta-se pronta para realizar sua escolha.

O mais bacana da OV, é que em casos nos quais ainda restem dúvidas da profissão a seguir o sujeito ao menos descobriu o que possui certeza de que não quer seguir. Parece pouco proveitoso, mas não. Numa realidade em que a escolha de uma carreira amedronta e até fere, quando envolve vínculos familiares e desejos contrários, saber o que não quer é valioso para delimitar possibilidades e se debruçar nas que são possíveis e interessantes. 

Recado para quem precisa decidir por uma carreira

O mais importante nesse processo todo é que você possa se encontrar na profissão que, apesar dos 'poréns' que qualquer escolha nos impõe, lhe cause profunda felicidade. Despeço-me com um desejo: Que você escolha o caminho em que haja coração.



2 comentários:

  1. Respostas
    1. Milla, estamos em total acordo com você! Nós como psicólogos visamos o bem estar do individuo. Nada como estar em paz com nosso coração, não é mesmo? Agrademos sua visita. :)

      Excluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.