3 documentários sobre o estupro e a culpabilização da vítima

00:00:00 Dayane Marins 0 Comments

Nas últimas semanas foi bastante comentada a situação na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), onde ocorreram três casos de violência sexual nos últimos meses. Jovens se reuniram para protestar por maior segurança no campus e para que a faculdade mude sua omissa posição atual.

No Brasil, em 2014, cerca de 47,6 mil pessoas sofreram violência sexual, ou seja, a cada 11 minutos 1 pessoa foi violentada. Esses dados são os que representaram registro, sendo que estima-se que 90% dos casos são silenciados.

As vítimas são desacreditadas e, geralmente, sofrem o que chamamos de culpabilização da vítima. Essa culpabilização pode acontecer em vários momentos, de forma que terceiros ou o violentador, justificam a violência sexual com frases do tipo:

"Mas ela estava de saia e sem calcinha"
"Ela não deveria ter bebido"
"Eu a chamei para o meu quarto e ela foi"
"Estava sozinha na rua de noite"
"É mentira dela, ela estava sonhando"
"Ela queria, se não quisesse ela ficava em casa"

Lembrando que essa culpabilização pode (e é comum acontecer) vir da pessoa que sofreu o abuso, fazendo com que existam questionamentos como: Eu não deveria sair a noite na rua; usei aquele short muito curto; etc.

Mulheres relatam que sofrem desconfiança sobre seus relatos. Principalmente quando a violência é praticada por seus parceiros ou ocorre no âmbito familiar. Muitas vezes suas falas são ouvidas com desdém e respondidas com "você pediu por isso", "você atiçou o instinto masculino dele". 
Por hora, podemos visualizar o que é chamado de cultura do estupro, que socialmente autoriza homens a abusarem/usarem do corpo feminino e não serem culpabilizados por isso, podendo ser nos transportes públicos, na rua, em casa, etc.

O que a lei atual diz?

Estupro 

Art. 213.  Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso.

Fazendo essa pequena passagem por esse tema, que tem muito conteúdo a se falar e manifestar, separei três documentários que abordam a temática muito bem. Não tem uma ordem a ser seguida, coloquei na ordem em que eu vi. Vejam e entendam mais sobre o resumo aqui feito. Assim poderá ver como acontece em três diferentes culturas. 


Os documentários:



1 -  India's Daughter

Um grupo de seis homens abordam uma estudante dentro de um ônibus na Índia e a estupram, dias depois ela morre no hospital. Revoltadas, as mulheres daquele país vão às ruas protestar e mobilizam a população, detonando uma onda mundial de indignação contra esse tipo de violência.

*Esse documentário foi censurado na Índia.


2 - Brave Miss World
O filme conta a história real da ganhadora do concurso Miss Israel, Linor Abargil. Seis semanas antes de se apresentar na competição, com 18 anos de idade, ela foi esfaqueada e estuprada em Milão. Mesmo assim, participou e ganhou a coroa. Depois disso, ela prometeu ajudar as vítimas de todo mundo a lutar contra esse abuso. Linor viaja o mundo dando palestras, conversando com essas pessoas e dividindo suas experiências. O documentário acompanha sua trajetória do momento em que foi violentada até seu momento atual.



3 - The hunting ground
Documentário sobre os inúmeros casos de estupro nos campus universitários americanos, explorando os problemas com as administrações dessas instituições, que se preocupam mais em encobrir os fatos do que resolvê-los. Com depoimentos de vítimas, um retrato de como as pessoas que sofrem esse tipo de violência lutam por justiça e educação, apesar da frequente retaliação e assédio com os quais são obrigadas a conviver.

MULHERES, NÃO FIQUEMOS CALADAS!

Telefones importantes:
100 - Direitos Humanos
180 - Central de Atendimento à Mulher




0 comentários: